Friday, September 4, 2015

A menina e a bola vermelha



A menina e a bola vermelha

Mudança é uma coisa chata. Empacotar, embrulhar, arrumar, transportar. Lá estava eu colocando as coisas na caminhonete para levar a primeira rodada. Mexo daqui, mexo dali, e uma grande bola vermelha de plástico cai, pula na calçada e vai rodando embora. Assim que desocupo minhas mãos vou atrás dela. De repente vejo dois pezinhos, calçados com sapatinhos brancos, vindo em direção a ela. Era uma  menina sorridente. Ela abre os bracinhos tanto quanto pode e abraça a enorme bola, quase do tamanho dela. Está feliz. Inicialmente veio aquele sentimento idiota de propriedade, como vou pedir o brinquedo d volta? Fiquei até com vergonha quando percebi que a mãe, logo atrás, já veio explicando para a filhinha que a bola não era dela, precisava devolver. Senti vergonha, e imediatamente decidi que a bola ia ficar para a garota. A menina veio em minha direção, com um sorriso, devolvendo a bola. Dava para ver, no entanto, que estava decepcionada. Estava devolvendo algo que ela queria. A mãe percebeu e fez vários gestos explicando para ela continuar andando e me devolver o precioso achado. Foi aí que percebi que a mãe não falava, ela era muda. Com certeza a menina entendia tudo e por isso seu coraçãozinho estava partido entre obedecer e ficar  com a bola. A mãe então fez gestos mais firmes, deixando claro que não havia opção. Resolvi falar e explicar que a garota poderia ficar com o brinquedo, que não havia problema. A menina olhava para mim e para a mãe se enchendo de esperança. A mãe fez então um gesto mostrando que era muda e olhou de novo para a menina, insistindo com sua linguagem de sinais que a bola tinha de voltar para o dono. Foi aí que apareceu um homem, que logo depois, eu percebi ser o pai da criança. Ele deu um beijo nela, pegou a bola e estendeu-a para mim, fazendo gestos que certamente indicavam que a menina não poderia ficar com a bola, que aquilo estava errado.  Era uma família de mudos. A essa altura eu estava determinado a fazer com que a menina ficasse com a bola de qualquer jeito. Fiz gestos e mais gestos, tentando explicar que eu queria que a menina ficasse com o “troféu”. Os pais tentaram explicar algo com as mãos e eu, com as minhas, fiz um gesto definitivo, que a bola era da menina e ponto final. Ficou claro, os pais desistiram de dar a aula de “civilidade” para a garota e agradeceram com sinais. Parecia uma família feliz e bonita. Senti uma certa compaixão por serem mudos, imaginei as dificuldades que tinham de passar o tempo todo. Cumprida minha missão , estava para ir embora. Mas quando me virei, escutei uma vozinha:
-Obrigado, seu moço!
A menina falava, era a única da família que falava. Nós sempre estamos cometendo esse mesmo erro de presumir as coisas. Uma alegria muito grande me invadiu. Não era um milagre, nem nada assim. Apenas eu presumi algo que não era para ser presumido. Pensei de novo, como era bom que pelo menos a menina falasse. Na verdade aquilo era uma dádiva, era uma coisa muito especial. Um dom da natureza, um milagre da vida. Eu sei que falar é o normal, era o que deveria acontecer em condições normais. Mas naquele momento, naquelas circunstâncias, falar transformou-se numa coisa divina, um dom. Estava feliz e me despedi com gestos. Podia ver uma parte do rostinho da garota por trás da bola. Com uma das mãozinhas, sem soltar a preciosa bola, ela acenou e falou mais uma vez:
-Tchau, obrigado!
Naquele dia eu é que ganhei um presente: a menina que falava!

                         Histórias do Futuro


Para adquirir este livro no Brasil 



Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Clique aqui (e-book: $3.99 impresso: $11.98)

No comments:

Post a Comment