Thursday, October 8, 2015

Joana, Jerônimo, e o Caleidoscópio



Joana, Jerônimo, e o Caleidoscópio

Não é preciso apagar a luz
Eu fecho os olhos e tudo vem
Num caleidoscópio sem lógica
Eu quase posso ouvir a tua voz
Eu sinto a tua mão a me guiar
Pela noite a caminho de casa

(Herbert Vianna - Caleidoscópio)

Não sei que loucura deu na cabeça do seu Juvenal. O lugar onde ele e dona Maria moravam já era um fim de mundo. E, mesmo assim, ele resolveu se mudar para mais longe. A Maria aceitou, porque ela era mulher de aceitar, mas não conseguia entender a cabeça do marido. Em parte, ela sabia sim. Era um danado de um eremita, parece que tinha medo de gente. Por ela, não ligava não. O que mais a preocupava, era a criança. O que a Joana, uma menina de três anos, ia fazer num lugar daqueles?
Criança acaba sobrevivendo a tudo. E Joana criou seu mundinho de fantasia ali mesmo. Os vizinhos mais próximos não tinham nada de próximos, estavam bem longe.  O Jerônimo era mais fácil de se ver do que eles. Ele tinha uns 20 anos e seguiu a carreira do próprio pai. Uma espécie de caixeiro-viajante do sertão. Trazia coisas que as pessoas que moram no fim do mundo precisam. Um pouco de sal, tempero, pimenta. Sim, claro, farinha de trigo, que as outras, de mandioca e milho, a Maria mesmo fazia. Pedaços de pano, retalhos, às vezes trazia igualmente. Não havia vaidade naquelas pobres mulheres, perdidas naquele buraco. Mas um pouquinho sempre há, acho que é antropológico.
Um dia, o Jerônimo, que gostava de crianças, trouxe para a Joana um brinquedo. Foi presente mesmo, não cobrou. Imagina só que coisa, um caleidoscópio. Naquele lugar sem cor e sem sabor, podia haver algo melhor? A menininha ficava o dia todo mexendo naquele tubo. As cores mudavam, mudavam as cores, mudavam as formas. Diferente daquele vazio sem fim. Pai e mãe tentaram ver o que a menina via. Qual era a graça daquilo? Ou por ser coisa de criança, ou por serem de vista fraca, ou por não acharem mais graça na vida, eles nada enxergavam. Mas a Joana, sim. O milagre para ela, era que aquilo nunca repetia o mesmo desenho. Como pode? Como o pintor, que pintou aquilo, pintou tantas coisas, tantas coisas sem fim, sem repetir?  Era mesmo de se admirar. Era o cinema que ela não conhecia.
O caleidoscópio salvou a infância da Joana. Criou a cor de que ela precisava. Substituiu a escola que ela não fez, a escrita que ela não escrevia, as letras que ela não conseguia ler.
Mesmo onde o judas perdeu as botas, as coisas vão passando e lá passaram também. O Jerônimo continuou vindo com suas tranqueiras, que muito bem vindas eram para os três. Outros presentes trouxe para a menina, bonitos sim, mas nunca nada como o caleidoscópio.
Joana chegou na adolescência e virou jovem  quando tinha então 13 anos. Foi uma coisa gozada. Aquilo tudo acontecendo com seu corpo e, ao mesmo tempo, uma tristeza aconteceu na sua vida. Uns bichos roeram seu caleidoscópio. Daí ela viu o que tinha dentro. Pedrinhas e vidrinhos. O bom foi que aprendeu que pode existir beleza sem fim em coisas simples como pedrinhas e espelhinhos. Ela não entendia como mas sabia quê. Assim aprendeu também que o corpo dela às vezes ficava gozado, mas não sabia como.
Deu uma vontade forte de pedir outro para o Jerônimo, mas ela, como sua mãe, não tinha boca para nada. E ela foi crescendo. Daí ela notou que o Jerônimo agora era diferente. Tinha uma barba mais comprida, o seu corpo era um pouco mais curvado. Estava mudado, mas ainda assim, muito mais forte que seu pai, com certeza.
Joana estava com dezessete anos, mas ainda era uma criança. Nesses lugares, a alma só cresce o necessário. E assim é que é.
Notou que agora o Jerônimo vinha mais amiúde. E conversava mais com o seu pai. Interessante que o Juvenal, antes,  não era de muita conversa. Talvez seja coisa de quem fica velho.
Um dia, seu pai falou que na semana seguinte vinha o Jerônimo de novo, e ele tinha acabado de vir. Era estranho, pois, por mais amiúde que ele viesse, não era tanto assim. E disse mais, que ela podia escolher um presente, que não ia ser presente dele não, era um presente do Jerônimo. A menina não sabia que o Jerônimo tinha uma afeição por ela, não? Não percebia? E era para arrumar as pouquinhas coisas que tinha, que dava para levar no cavalo, que ela ia embora com ele. Com o Jerônimo, sim senhor.
A Joana não entendeu direito, pois ela era menina de dezessete anos e era mais menina do que os dezessete. No corpo não, mas na cabeça, sim.
O Jerônimo era um bom homem, mas ele não entendia de cabeça de mulher, só entendia do corpo. E o corpo da menina, para ele, estava bom demais, mais do que um caboclo como ele poderia querer. Muito mais.
Até que vai ser bom, pensou a Joana. Ver coisas diferentes. Foi assim que a mãe explicou também. E ela disse mais, que estava triste, pois gostava da filha. Mas mais alegre estava, que ela ia poder sair daquele buraco, para onde ela nunca quis que seu rebento tivesse vindo. Ia ser bom.
Quando os dois, Jerônimo e Joana, partiram a cavalo, chorou a mãe e chorou a filha. O pai fingiu que não chorou, pois nunca havia chorado antes e não era de chorar. A “dona” Maria chorou, mas chorou feliz.
Foi daí que o Jerônimo, envergonhado, ela não sabia por quê, perguntou qual o presente que ela queria ganhar. Ela pensou um pouquinho, mas só para fazer de conta, pois já sabia o que queria. Um caleidoscópio. O Jerônimo deu um sorriso maroto e disse, então, que nem aliança não precisava não, porque ele ia lhe dar o caleidoscópio mais bonito da vida, mais bonito do mundo, ele ia sim. A parte da aliança, a Joana não entendeu, mas a do caleidoscópio, ela entendeu muito bem. E enquanto seu cavalo ia andando, par a par com o do Jerônimo, ela não via mais nada. Nem o córrego, nem os cascalhos da trilha, nem o barulhinho das águas do rio. Só antecipava. Uma antecipação gostosa, como um gozo. Ela só via aquelas cores bonitas, se misturando, se mexendo, se multiplicando em formas mil. E a vida pareceu ainda mais bonita do que é. As pedrinhas e os espelhinhos, que agora ela conhecia como sendo o segredo de tudo, iam se misturando, coloridos, brilhantes, num remexer sem fim. Pedrinhas coloridas, como um  milagre, e os vidrinhos repetindo a fantasia da vida. Multiplicando. Que tudo é fantasia, nesse sertão sem fim, nesse sertão imenso de Deus. Mentiras da vida, miríades.

Eta vida bonita! Belezura sem fim.



Você já leu?:



Lançamento no Clube de Autores:  Insólito

Para comprar no Brasil ( impresso ou e book) clique: 



Para comprar nos Estados Unidos clique



No comments:

Post a Comment