Wednesday, December 31, 2014

Os dados de Chíntia



Os dados de Chíntia

Cínthia sabia que alguma coisa estava errada. Estava preocupada mas não a ponto de tomar uma atitude radical. Na verdade, ela nem podia fazer algo a respeito. Melhor ficar quieta e não ir atrás do que realmente acontecia. Descobrir algo que não tem solução?  Muito melhor nem ficar sabendo. Era o que seu avô sempre dizia e contra o que sua avó sempre se rebelava. Mas eles, quando eram vivos, tinham tanta idade e pertenciam a uma geração tão diferente que não serviriam como referência.
Vamos considerar os dados, ela sempre pensava. O que ela sabia e o que ela não sabia. Tinha consciência de que tinha uma doença muito grave, um câncer no cérebro. Nem por isso era questão para se desesperar. A ciência estava avançadíssima e isso não seria fatal. Não havia mais câncer incurável. Entretanto, em seu caso, havia agravantes. O primeiro era que, mesmo sabendo do problema, não procurou assistência médica até o “sistema” por si mesmo detectar o caso e obrigá-la a se submeter a um tratamento. Como lhe dissera a cientista do Departamento de Medicina Pública, ela estava num estágio tão avançado, tão avançado, que teria de se submeter a um tratamento completamente diferente. E não era só isso. Os exames mostravam que ela tinha algo mais do que  essa doença. Havia alguma outra coisa em seu cérebro que, até para eles, cientistas, era uma novidade. Tinha a ver com partículas subatômicas que compunham os átomos de suas moléculas ou algo assim. Ela nunca fora boa em ciência. Sabia também que o “sistema” não cuidava de casos assim, pois era um tratamento experimental e eles não queriam assumir responsabilidade. Com certeza isso era “conversa fiada”. Recomendaram que fosse cuidar de sua cabeça num instituto particular. Não teria de se preocupar com custos ou nada assim pois o “sistema” pagaria tudo. O lugar se chamava “Alexandria” e não era apenas um prédio. Era como se fosse um grande parque de diversões, só que as atrações ou os “brinquedos”, eram na verdade unidades de tratamento, mais precisamente, “unidades alternativas de tratamento”. Assim que entrou pelo portão principal e procurava pelo escritório de atendimento, pôde ver uma placa: “Unidade de Reconstrução Total”. Mas havia outras placas, quase todas com nomes estranhos.
Não se intimidou e procurou a sala onde deveria fazer a inscrição para o programa. Além de dizer o próprio nome, não precisou dizer mais nada. Extraíram tudo do seu chip de identificação. Daí foi para outra sala onde deitou-se numa cama. As duas atendentes falaram para ela ficar relaxada. A luz diminuiu e então elas saíram.
Foi aí que  começaram as coisas que ela não sabia. Quando acordou, não sabia onde estava. Tinha uma vaga noção de quem era. Não sabia se estava curada. Apareceu em outro lugar mas não sabia onde. Não sabia quem eram as pessoas também. Às vezes parecia que elas a entendiam, que elas a podiam ver. Outras vezes parecia que ela era um fantasma, ninguém notava sua presença. Realmente havia muita coisa que ela precisaria saber. No geral, porém, sentia um grande bem-estar. Não havia dores. Podia se dizer que havia até um princípio de felicidade.
Desconfiou que talvez estivesse em coma. Talvez estivesse sob efeito de drogas fortíssimas. Alguma coisa estava errada. Queria voltar.
Embora ela não soubesse,  havia uma chance de voltar à realidade. Alguns meses haviam se passado e finalmente seu irmão estava conversando com uma técnica na recepção do instituto. A senhorita Robin, cabelos loiros e curtos, jovem e sorridente, explicava para o irmão de Chíntia o que havia ocorrido:
-Infelizmente o corpo estava irrecuperável. Ela deixou a doença danificar seus neurônios de tal forma que, mesmo com os recursos moderníssimos que existem, é impossível recuperá-los.
Sorriu e continuou:
-Entretanto, agora que você está por aqui, há uma solução. Como a sua carga genética é bastante semelhante à dela, podemos criar um “clone” com material extraído de você e posteriormente fazer nele o “input”.
Diante do ar interrogativo de Samuel, Robin explicou melhor:
-Temos tudo dela salvo num “hardware”.Qualquer dado genético ou psicológico imaginável. Desde a “careta” que ela vai fazer quando chupar um gomo de limão até seus mais secretos desejos. Temos guardada a informação de como ela gosta de dormir, de lado ou de bruços, temos a exata sensação que passa pelo seu corpo quando ela vê um pássaro cantar. Tudo.

Samuel já tinha lido sobre essas coisas. Ele pensava, entretanto, que era tudo experimental, que ainda não estavam fazendo no dia a dia, com pessoas normais, muito menos com sua irmã. Enquanto sua mente divagava ainda um pouco confusa com as novidades, Robin entregou-lhe uma pequena caixa metálica.
-Pode abrir, disse Robin.
Samuel apertou um botão preto e a tampa abriu-se automaticamente. Dentro podia ver um pequeno cilindro de 1 centímetro de diâmetro por 8 de comprimento. Parecia cristal e dentro dele havia minúsculos circuitos feitos com fios de ouro, minúsculas esferas cor de bronze e outros pontos minúsculos que não podia identificar.
-Está tudo aí, Samuel. Pode levar, guardar em temperatura ambiente e, quando você estiver pronto, volte aqui para colhermos seu material. Demora no máximo uma hora.
Samuel agradeceu, colocou a preciosa caixa no bolso de sua túnica e despediu-se da senhorita Robin. Saiu pela porta central e dirigiu-se para seu veículo “carregando” sua irmã no bolso.
Tinha de pensar muito, não sabia se seria capaz de fazer isso. No fundo ele sabia que acabaria fazendo. Ele sentiu muita falta da irmã todo esse tempo e, de certa forma, estava se sentindo poderoso. Era como se pudesse ser Deus, como se pudesse devolver a vida para um ser usando sua própria carne. Por alguns segundos lembrou-se de uma passagem daquele livro antigo onde o Criador fez a mulher da costela do homem. Sorriu. Ele sabia que iria concordar. Estava só “dando um tempo” para se acostumar com a ideia.
A temperatura era maravilhosa e uma brisa suave acariciava o ar. Era a primavera do ano 2365.


o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o

Histórias do Futuro

Cover_front_mediumPara adquirir este livro no Brasil 



Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Clique aqui (e-book: $3.99 impresso: $11.98)








Tuesday, December 30, 2014

Meu amigo Doug


Meu amigo Doug

O Doug é um grande amigo meu. Apareceu em casa assim, sem mais nem menos. Ficou olhando com aquela cara meio triste, mas cheia de dignidade. Estava com fome, o coitado.  Dei-lhe um pedaço de pão. Ainda bem que não se ofendeu. Ao contrário, comeu com avidez. Continua me visitando regularmente até hoje. Um amigão, mesmo.
Como disse, seu nome é Doug. Seu nome de registro, porém, é Mycteria Americana, da família Ciconiidae. Alguns o chamam de Wood Stork. O importante mesmo é que ele é um amigão do peito.

ooooooOOO0OOOooooo


Essa vida da gente

Para adquirir este livro no Brasil 

--------------------

Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Monday, December 29, 2014

A visita do caixeiro-viajante


A visita do caixeiro-viajante

Faz muito tempo, mas muito mesmo. Era na época dos caixeiros-viajantes. Todo mês o Francisco passava na pequena cidade de Rendição com suas malas, vendendo todo tipo de tranqueira, principalmente para a mulherada. À noite, dormia na pensão da Dona Marivalda, trabalhava até tarde no outro dia e “picava a mula”, para se usar uma expressão da época. Naquela noite, porém, ele não dormiu onde estava acostumado. A dona do estabelecimento ficou um pouco enciumada, mas depois pensou consigo mesma: o coitado deve estar sem dinheiro, os negócios não andam bem. 

Veio o mês seguinte, e mais outro, e o Francisco não apareceu mais por lá. Na mesma época a barriga da Lucília foi crescendo, crescendo, sem explicação. Todo mundo pensou a mesma coisa, mas ninguém, disse nada. Pelo menos publicamente. Depois de nove meses da ausência do caixeiro-viajante, nasceu o Francisquinho. Nome escolhido pela Lucília mesmo, sem vexame. Como o Francisco nunca voltou e também os tempos estavam mudando, a Lucília abriu uma lojinha, que veio a calhar, com a ausência do vendedor. Com o tempo, tudo se encaixa, como dizia a Marivalda. Tudo se encaixa.

ooooooOOO0OOOooooo


Essa vida da gente

Para adquirir este livro no Brasil 

--------------------

Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Sunday, December 28, 2014

Ano vai, ano vem


Ano vai, ano vem

Ano vai, ano vem, esperanças que ficaram, sonhos que não aconteceram. Juntamos o saldo do não realizado com novos desejos e pulamos, alegres, de um ano para o outro. Recalculamos tudo, reforçamos nossa capacidade de sonhar e olhamos para a frente. Para cada tranco do novo ano, recalibramos nossas expectativas, ajustamos nossos sonhos. É o que melhor fazemos como seres humanos. Criar fantasias, brincar com elas, nutri-las, alimentarmo-nos delas.

É o que melhor sabemos fazer como humanos. Na verdade, essa é a essência de nosso ser, é o que somos.

ooooooOOO0OOOooooo


Essa vida da gente

Para adquirir este livro no Brasil 

--------------------

Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Friday, December 26, 2014

Existe alguém mais triste do que eu?



Existe alguém mais triste do que eu?

Seu olhar lânguido se espalha no espelho. Olhar bonito, mas triste. Semelhante a outros tristes olhares, mas alheio a si mesmo. Como no conto, conta vantagem de sua tristeza. Espelho, espelho meu, há mais triste olhar do que o meu? A sua imagem parelha lhe responde que aquilo é apenas um mau-olhado. Com lágrimas se espalhando pela face, insiste no mesmo monótono perguntar. Refletidas, então, no espelho, cenas deprimentes deixam-na abobalhada. Crianças com fome, outras com defeito e até morrendo, algumas.
Cai em si, despenca de seu egoísmo e autopiedade. E ela, que nem sabe rezar ou orar, faz uma prece sem graça, mas sincera.

Olha-se novamente no espelho e vê sua imagem sorrir.

ooooooOOO0OOOooooo


Essa vida da gente

Para adquirir este livro no Brasil 

--------------------

Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Tuesday, December 23, 2014

Carta para a ex














Carta para a ex

Querida Teresa:

Hoje de manhã estava no carro ouvindo uma música do Elvis e me lembrei de você, Teresa. Não que eu precise de alguém para me lembrar de você. Penso em você o tempo inteiro. Eu sei que não deveria estar escrevendo. Eu deveria prosseguir sem olhar para trás. O problema é que eu nunca me conformei com a sua partida, você sabe.  E olha que a Lúcia, com quem estou agora, é uma mulher e tanto. Ela gosta mesmo de mim. Faz meus desejos, suspira, cuida. Está sempre tentando me alegrar mesmo quando sabe que estou triste por causa de você. Que mulher é capaz disso? Além disso, a Lúcia é suave e bonita. Tem um sorriso...Sabe conversar, é culta e inteligente. Às vezes fico até constrangido. Acho que não mereço uma mulher como ela. Ela sabe que eu tenho uma ferida em meu coração – você – e aí ela tenta curar ao invés de ficar com ciúmes. Que coisa, quantas mulheres assim podem existir no mundo? Então, como eu estava dizendo, a música que o Elvis estava cantando hoje de manhã era “She’s not you” e foi por isso que me lembrei de você, Teresa. Por falar nisso, tenho um medo danado de falar “Teresa”quando estou falando com a Lúcia. Sabe, isso machuca. Eu me lembrei de você, porque, por mais extraordinária que a Lúcia seja – que mulher – sabe, Teresa, eu preciso confessar, ela é maravilhosa mas ela não é você. “She’s not you”, como dizia o Elvis, você entendeu?

Elvis; She's not you


o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o


Essa vida da gente

Para adquirir este livro no Brasil 

--------------------

Para adquirir este livro nos Estados Unidos 




Monday, December 22, 2014

Brincadeiras


Brincadeiras


As crianças brincam com brinquedos.
Os adolescentes brincam com jogos virtuais, de vida e de morte.
Os jovens brincam com tablets e androids.
Há adultos que brincam com máquinas poderosas, voadoras ou não.
Alguns adultos, porém,  brincam com a fé. Outros com dinheiro, e alguns até com o bem e com o mal.
No laboratório e nos computadores, cientistas da Genética e Físicos teóricos não querem saber de brincadeira. Ou estarão eles brincando de Deus?

oooooOOO0OOOoooooo
Histórias do Futuro

Cover_front_mediumPara adquirir este livro no Brasil 



Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Clique aqui (e-book: $3.99 impresso: $11.98)






Sunday, December 21, 2014

Procurando dodô


Procurando dodô

O dodô era um pássaro das Ilhas Maurícias que não tinha medo de humanos. Os primeiros colonizadores que chegaram àquelas ilhas, matavam muitos deles por serem alvo fácil. Além disso, a ave fazia seus ninhos no chão e seus ovos eram presas fáceis de todo tipo de predador. O fato é que tornou-se um animal extinto já por volta do ano 1700. A natureza é um sofisticado e delicado sistema. Os cientistas descobriram recentemente umas árvores na mesma região, apenas treze, que têm mais de 300 anos. Também não nasceram mais desde essa época. Só então fizeram a correlacão. As sementes só ficavam ativas depois de passar pelo sistema digestivo dos dodôs. Foi por isso que não nasceram mais. Um verdadeiro castigo. Descobriram, no entanto, que podiam fazer o mesmo com perus. Agora é só esperar mais 300 anos para elas ficarem do mesmo tamanho.
Ironicamente, os dodôs, se ainda existissem, hoje em dia talvez pudessem ser preservados através de zoológicos que se preocupam com isso. Depois de 1700, os homens pioraram ainda mais em termos de preservação de espécies. Ultimamente, melhoramos um pouco e estamos tentando impedir o sumiço de muitas delas.

Coitados dos dodôs, não adianta mais procurar por eles. Agora eles são história. Coitados de nós, que não sabemos cuidar dos bichinhos.


ooooooOOO0OOOooooo


Essa vida da gente

Para adquirir este livro no Brasil 

--------------------

Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Monday, December 15, 2014

Um governo corporativo: Continuum


Um governo corporativo: Continuum


Em ficção científica, o tema das grandes corporações controlando todos os governos, é um tema muito comum. No seriado americano “Continuum”, esse é um dos temas principais. Neste cenário, de um lado, as grandes empresas fornecem bem estar, emprego, segurança. De outro, controlam tudo, sabem de tudo, não há mais vida privada. Eles são o Governo. Se olharmos com cuidado, principalmente nas grandes nações, isto já está acontecendo. Nos Estados Unidos, a contribuição para campanhas eleitorais atinge números jamais alcançados anteriormente. Conseguem eleger parlamentares, pessoas para cargos executivos e judiciários. E o ciclo vai se completando: todas essas pessoas, com muito poder, acabam fazendo e aprovando leis onde esse sistema vai se fortalecendo. Não há como retornar. Vão passar de órgãos que “controlam” o governo para serem o “próprio” governo. E essas empresas são multinacionais. Do patamar onde controlam os grandes países, para aquele onde vão controlar os pequenos e médios, é apenas um passo pequeno. Talvez o lado positivo, ou seja, o fato de que elas vão oferecer estabilidade, emprego digno e saúde - melhor do que o próprio governo -  supere o lado de quase total perda de privacidade e liberdade. Ou talvez seja uma dominação completa, descarada. Duvido que façam isso. Até para o total domínio da sociedade, é preciso um certo marketing. E elas são boas nisso. Pode se preparar. Isto é um destino certo. Talvez demore 20, 30 anos. Talvez um pouco mais, mas vai acontecer. Garantido.

           oooooOOOooooo

Histórias do Futuro

Cover_front_mediumPara adquirir este livro no Brasil 



Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Clique aqui (e-book: $3.99 impresso: $11.98)





Sunday, December 14, 2014

Quem é essa mulher, que canta sempre esse estribilho?


Quem é essa mulher, que canta sempre esse estribilho?

O Chico, na sua música “Angélica” pergunta “Quem é essa mulher, que canta sempre esse estribilho? Todos sabem que é Zuleika Angel Jones, mais conhecida como Zuzu Angel. E o estribilho dizia: “Só queria embalar meu filho, que mora na escuridão do mar.” E o filho da Zuzu era Stuart Jones. O pai era um americano, Norman Angel. Ela era estilista de moda e começou com costuras bem simples, tornando-se famosa mais tarde.
No entanto, ela ficou mais famosa pela luta para encontrar o corpo de seu filho, que havia sido preso, torturado e morto pela Ditadura no  Centro de Informações da Aeronáutica (CISA), no aroporto do Galeão. O governo, na época, declarou-o como desaparecido. Mas todos sabiam da verdade. E Zuzu, destemida, nunca parou de batalhar para saber a verdade, para encontrar seu corpo. Na época, uma atividade muito perigosa. Só não foi “bloqueada” logo de início, por ser esposa de um americano e por ser internacionalmente conhecida no mundo da moda. Protestou de todas as formas.
Na madrugada de 14 de abril de 1976, sua busca terminou. No entanto, foi por outro motivo, não por ter encontrado o corpo. Sofreu um estranho acidente na Estrada da Gávea. Duas testemunhas afirmaram que ela foi jogada fora da estrada. As autoridades do regime militar disseram que foi um acidente. Estranhamente, uma semana antes ela havia deixado uma mensagem com o Chico Buarque. Se ela morresse por acidente ou outro motivo, os responsáveis seriam os mesmos assassinos de seu filho.

E a música continua: “Só queria lembrar o tormento, que fez o meu filho suspirar”. Insiste que “Só queria agasalhar meu anjo, e deixar seu corpo descansar”. Mas ela não teve chance. As mesmas forças que cobriram de trevas seu filho, finalmente a levaram também.

Chico canta: Angélica


ooooooOOO0OOOooooo


Essa vida da gente

Para adquirir este livro no Brasil 

--------------------

Para adquirir este livro nos Estados Unidos 



Thursday, December 11, 2014

Uma grande nação, como nenhuma outra



Uma grande nação, como nenhuma outra

Eu me vi, de repente, num vale de excepcional beleza. Junto ao rio de águas transparentes, havia uma estrada cheia de árvores, muitas delas floridas de amarelas cores e roxas também. Comecei a andar pela calçada. Dos dois lados, só se via gente sorrindo, entre si e para mim também. Imaginem, eu, que não conhecia ninguém, recebendo todo aquele carinho. Havia índios, negros, brancos, gente de pele amarela e de outras cores mil. Olhos redondos, puxados, todos a me olhar com interesse, do bom. E cantavam também. Músicas bonitas de se dançar. E as moças, descuidadas, bailavam nas ruas, alegres, festivas. Os carros paravam, sem pressa, e, de dentro, os motoristas acenavam. Alguns trabalhavam duro, preparavam a comida. Depois saíam para dançar também. Os que estavam brincando, dessa vez tomavam seus lugares e serviam as comidas de fino paladar.
Quando terminei a minha caminhada, me vi diante de uma montanha, que prontamente escalei. Cheia de árvores frondosas, de peculiar natureza e de um selvagem intacto. Cascatas corriam pelas encostas, desaguando no belo mar do outro lado. Vi então quantas praias havia, todas de beleza sem igual. Pessoas brincando, nadando. Nas pontas, pescadores trazendo o fruto de seu trabalho. Um sol ardente brincava entre as nuvens do céu.
Adentrei então as matas além das praias. Encontrei cidades com pessoas que usavam ternos. Trabalhavam em escritórios. No final da tarde, tiravam as gravatas e se sentavam nos bares da rua, conversando amigavelmente. No meio de todos esses prédios, havia um maior que os outros. Bonito, majestoso. Lá estavam as pessoas que organizavam tudo. Escreviam leis bonitas para deixar o povo, que já era feliz, ficar ainda mais feliz. Nem se preocupavam muito com dinheiro, pois aquela era uma nação rica e todos gostavam de pagar impostos. Nesse lugar abençoado não havia pobres ou necessitados. Todos, sem exceção, estavam bem.
Eu estava mesmo encantado. Queria ficar ali para sempre. Foi então que perguntei para alguém que passava:
-Que país maravilhoso é este?
-Esta, meu senhor, é uma grande nação, como nenhuma outra!
Insisti, então, queria saber o nome.
- Este país é o Brasil!

Quis pedir mais detalhes, mas quando fui abrir a boca novamente, acordei.

                             ooooooOOO0OOOooooo


À procura de Lucas


Para adquirir este livro no Brasil 

Clique aqui  ( e-book: R$ 7,32 / impresso: R$ 27,47)



Para adquirir este livro nos Estados Unidos 


Clique aqui  ( e-book:  $4.80  impresso:   $11.61)

Tuesday, December 9, 2014

O silêncio dos inocentes


O silêncio dos inocentes

Quando há guerras, revoluções, os primeiros a caírem e sofrerem as consequências, são os inocentes. São eles também as vítimas principais quando um motorista bêbado causa um acidente. O mesmo acontece quando há atentados terroristas, sequestros, violência doméstica. A primeira conta, a mais pesada, são sempre os inocentes que pagam. Assim é que são as coisas, por mais otimistas que sejamos. Os verdadeiros vilões, às vezes, só às vezes, acabam sofrendo alguma coisa.
Dizem as pessoas de boa vontade que um dia as contas serão acertadas, numa outra vida. Lá é o lugar da verdadeira justiça. Seria melhor, entretanto, que fosse aqui mesmo. Além disso, se os bandidos vão mesmo pagar, só saberemos depois que tudo acabar, quando mais nada importar.
Acho que é isso que Thomas Harris estava pensando quando fez o script de “O silêncio dos inocentes”, aquele filme de dar medo, com Jodie Foster e Anthony Hopkins.  Pois é isso que acontece com eles.

Eles se calam.

                                                     ooooooOOO0OOOooooo


À procura de Lucas


Para adquirir este livro no Brasil 

Clique aqui  ( e-book: R$ 7,32 / impresso: R$ 27,47)



Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Clique aqui  ( e-book:  $4.80  impresso:   $11.61)



Sunday, December 7, 2014

Sapatos às margens do Danúbio


Sapatos às margens do Danúbio

Nada mais prosaico que sapatos. Quem faria uma escultura com eles? Coisa de arte moderna, talvez? Uma daquelas que só os entendidos podem comentar? O fato é que um grande amigo meu, Milton Assumpção, conhecedor de vinhos e amante da cultura do velho continente, ficou impressionado com os sessenta pares desenhados em ferro por Gyula Pauer e colocados às margens do Danúbio em Budapeste. Eram modelos usados por crianças e adultos nos distantes anos 40. Um pouco corroídos pelo tempo, estão lá desde o ano 2005, quando o monumento foi inaugurado Há muito mais por trás deles. Há a crueldade doentia de um grande ditador, há a dor e humilhação de milhares de pessoas.
Ferenc Szálasi era um político afinado com os ideais da causa nazista e líder do Partido da Cruz Flechada na Hungria. Em parceria com o assassino alemão, tinha, como um dos seus principais objetivos, eliminar todos os judeus. Enchia trens com as pobres vítimas e as enviava para o campo de concentração em Auschwitz. Quando os vagões estavam lotados, o trem partia. Os que ficavam para trás, tinham de tirar seus sapatos e ficar em pé, esperando pela execução. Eram então fuzilados e jogados nas águas do famoso rio, para que fossem levados embora. Com o frio rigoroso que fazia na Europa, seria um desperdício serem atirados junto com os corpos.

Essa é a história dos sessenta pares ali expostos. Um conto de terror e uma metáfora horrorosa sobre a bestialidade humana, contada em forma de escultura, sólida, em ferro, para que não nos esqueçamos jamais.

ooooooOOO0OOOooooo


Essa vida da gente

Para adquirir este livro no Brasil 

--------------------

Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Friday, December 5, 2014

Um eterno buscar



Um eterno buscar

Estacionei nas águas puras e calmas do meu espírito para procurar a paz. Olhei para a distância e havia luz difusa, tons brancos e azuis, de uma suavidade sem fim. Aquilo era uma espécie de paraíso. O meu paraíso. E ali, um bom tempo fiquei. E minha alma, então, encheu-se de harmonia e serenidade. Era tanta, que meu ser se preocupou. Era normal aquilo? Podia ser verdade tanta graça? Diante disso, de novo, me aventurei. Procurei, voando para cima, o movimento, a ação, algo que me inspirasse mais vida, mais emoção. E assim fiz. Flutuando sobre montanhas, rios calmos e outros revoltos, lancei-me ao mundo. Conheci oceanos tempestuosos e nuvens que soltavam raios. Senti a força da emoção, do agitar, do acontecer. E tal situação também era boa. Precisava igualmente dela. Até que, novamente, descobri que precisava da tranquilidade. Voltei para o interior de mim mesmo. e por ali fiquei algum tempo. Foi então que fiquei sabendo de tudo.  Precisava da solidão para entender o burburinho e, deste, para apreciar a primeira.

E isso, entendi, era a vida. Esse eterno equilíbrio. Um eterno flutuar entre o céu e o inferno, um eterno buscar.



oooooOOO0OOOoooooo
Histórias do Futuro

Cover_front_mediumPara adquirir este livro no Brasil 



Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Clique aqui (e-book: $3.99 impresso: $11.98)