Saturday, July 30, 2016

Porta do céu


Porta do céu

Todo dia eu acabava parando ali, bem em frente àquela casa branca – até o telhado, imaginem – com aquele letreiro azul bem na frente: “Porta do Céu”. Durante aqueles segundos de sinal vermelho, ficava imaginando...  era uma funerária, talvez um consultório de psicologia, ou uma sociedade de auxílio aos mais necessitados? Como saber? Não havia nada mais escrito, só aquela branquidão e as três palavras em azul celeste.
Havia algumas vagas para carros, mas nunca vi nenhum lá. Cheguei a ver pessoas saindo ou entrando, mas era raro. Naquele dia de agosto, o farol demorou mais que o normal para abrir. Foi aí que vi uma moça, vestida de uma túnica alva, me olhando de um jeito diferente quando entrava. Depois fez um gesto com a cabeça como se fosse um convite. Sei lá qual o verdadeiro motivo, o fato é que dei uma guinada no carro e peguei uma das vagas do estacionamento. Aproximei-me da porta e, quando estava pronto para bater, ela se abriu e um rapaz, sorridente, apontou uma poltrona onde deveria me sentar. Branca, é claro. Ele me disse que certamente eu estava me perguntando que lugar era aquele. Quando eu estava para responder, a moça que tinha me feito o sinal com a cabeça entrou na sala e me explicou:
-Aqui é mesmo a porta do céu. Sem metáforas, a porta do céu. A única diferença é que aqui você não precisa morrer para entrar no paraíso. São poucas as pessoas que veem essa casa. Alguém alguma vez disse para você que tinha visto essa casa? Se você perguntar para uma pessoa normal, ela vai dizer que aqui existe um “Burger King”, nada mais.
E não é que eu nunca tinha perguntado para ninguém!  E não é que alguém já tinha me falado de ter comido num “Burger King” por ali? Eu nunca tinha visto um ali perto, mas nunca tive a iniciativa de perguntar. A moça continuou:
-Pois é, esta é a chance de você ir para o paraíso, sem dor, sem morrer. Se você não quiser, não há problema. Você sai daqui, não vai se lembrar de nada e daí só vai ver um simples Burger King no mesmo lugar.
Pensei comigo, que diabos, o que vou fazer? Imediatamente tive consciência do absurdo que tinha feito, ou seja, mencionar o capeta em tal lugar. Ninguém notou. Ou talvez tenham disfarçado.
Pois bem, que mal podia haver naquilo? Não tinha compromisso nesse mundo de Deus, vivia sozinho, estava mesmo cansado da rotina. Sem prestações, até o carro estava pago. Exclamei, então:
-Vamos lá!
E lá eu fui. Puseram-me numa deliciosa cama – toda branca – no quarto ao lado. Fiquei meio zonzo, uma claridade doutro mundo me cegou. Minutos depois acordei em meio a cânticos celestiais. Celestiais mesmo.
E é isso aí. Agora estou aqui, vivo no céu. Infinitamente melhor do que imaginava, nada a reclamar, muito pelo contrário. Faz muito tempo, embora tempo não se conte por aqui.
De vez em quando dou uma passada lá pela casa branca para ajudar. Fico fazendo sinal para as pessoas entrarem, como eu entrei. É muito raro alguém me notar. Acho que a grande maioria das pessoas só vê mesmo é um Burger King todo colorido...

<><><><><><><><>




 
 À venda


Lançamento no Clube de Autores:  Insólito

Para comprar no Brasil ( impresso ou e book) clique: 



Para comprar nos Estados Unidos clique



Friday, July 29, 2016

Descobrindo um novo mundo




Descobrindo um novo mundo



Na grande sala, cheia de estranhos aparelhos, uma verdadeira coisa do futuro, talvez fosse difícil adivinhar através da estranha e indefinida feição dos cientistas, a expressão de felicidade, surpresa e excitação que eles estavam sentindo. A primeira sonda interestelar, enviada há muitos anos atrás, estava voltando. Embora estivesse ainda muito longe, já mandava as primeiras notícias do sistema solar que tinha visitado. Praticamente invisível para quem não tivesse a tecnologia para detectá-la, tinha cumprido sua missão e coletado inúmeros dados que agora estava enviando para o comando da missão.
O sistema havia sido detectado há mais de 100 anos e tinha chamado a atenção dos estudiosos por causa de algumas características muito especiais. Uma estrela com um raio de quase 700.000 km com vários planetas a seu redor, não era nada suprpreendente na imensa galáxia. Um deles, porém, era muito especial pela grande quantidade de água e sua densa atmosfera. A primeira sonda voltou com a certeza de que havia vida inteligente naquele planeta que passou a ser denominado  Vuusha.  Mais três sondas foram enviadas, cada uma delas trazendo mais notícias sobre  Vuusha. A última sonda era sofisticadíssima. Com um sistema de anti-detecção muito acima de tecnologias convencionais, tinha chegado a uma distância tão pequena do planeta que, se pudessem vê-la, teriam conseguido abatê-la com facilidade. Ela tinha gravado trilhões de informações, conversas, transmissões locais. Na viagem de volta, seu computador estava analisando os dados, tentando “traduzir” os estranhos sons e imagens.
Os estudiosos já sabiam que a civilização não era tão avançada quanto à deles. Entretanto, tinham um razoável grau de tecnologia, já sabiam enviar naves para o espaço, tinham um sistema sofisticado de comunicação, aparelhos voadores usados como transporte no dia a dia e, certamente, conheciam bastante de Astronomia e Física do Universo.
As primeiras imagens e sons “traduzidos” começavam a ser projetados e reproduzidos no ambiente cheio com pelo menos 150 cientistas ávidos por notícias.
Em instantes iriam anunciar qual o verdadeiro nome de Vuusha, ou seja, o nome que os habitantes do planeta davam para si mesmos. No momento certo ouviram-se uns sons curtos, estridentes, quase metálicos. Junto com esses sons, outros ainda mais estranhos ouviram-se na plateia. Eram os cientistas comemorando. Esses sons pareciam ter coerência, mas para nós seriam apenas ruídos.

Se você tivesse o mesmo sistema auditivo dos habitantes de Farramplatz, ou planeta NPC345734 de acordo com nosso sistema de classificação, você não ouviria aqueles sons e stranhos. Você estaria ouvindo a palavra “Terra”. Eles acabavam de nos ter “descoberto” e sabiam quase tudo de nós. Para nós, na Terra, Farramplatz era apenas um planeta com possibilidade de acolher vida, mas não tínhamos a menor ideia se poderia ser inteligente ou não. Em Farramplatz, a nossa Terra se chamava Vuusha, ou algo assim para nossos ouvidos. Eles, no entanto, estavam milhares de anos à frente da nossa civilização, a civilização terrestre...





o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o



Histórias do Futuro

Para adquirir este livro no Brasil 


Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Thursday, July 28, 2016

Terror, amor




Terror, amor

Absurdos, sinistros eventos,
espalham-se pelo globo.
Seus agentes, agourentos,
das profundas sombras vêm.
Querem ser mais que a vida,
aprofundar suas feridas,
arrancar suas raízes.
Por isso tudo destroem,
num paradoxo maldito,
impossível, improvável.
Demônios brutos, em conflito,
inexatos, irascíveis.
Num outro ponto distante,
a mãe nutre seu filho,
com carinho fascinante.
Ao lado, o filho de outra,
tenta sobreviver ao caos
e manter da vida a flor.
Seios vertem o leite salvador,
enquanto se pode ver
lado a lado, mãos hábeis
tentando, com muito carinho
outro frágil ser manter.
Olho perplexo e adivinho:
Serão um dia os que são salvos
os mesmos que, insolentes,
vão destruir outros seres?
Como podem tanta maldade,
e tanta inútil bondade
habitar o mesmo ponto,
no mesmo estranho mundo
do mesmo único Deus,
dos mesmos bizarros homens?




o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o



Histórias do Futuro

Para adquirir este livro no Brasil 


Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Tuesday, July 26, 2016

Você me conhece?



Você me conhece?


Às vezes, me mostram de lado, às vezes, só de cima. Muitos só mostram minha metade. Alguns preferem me vestir de roupas escuras, outros de roupas transparentes. Transparecem, mas não muito bem. No espelho, como todos, me vejo ao contrário. Às vezes me mostram de um jeito tão esquisito, que nem mesmo eu me reconheço. Outras vezes me pintam de cores estranhas, ou me colocam invertida, com os pés para cima. Existe gente que nunca me viu, mas que me apresenta como velha companheira. Descrevem coisas sobre mim que eu nunca vi ou percebi. Falam de mim por todo o lado, principalmente do lado em que nunca estive. Eu me vejo na televisão e me escuto no rádio, mas não me reconheço. Acho que não sou eu. Estou na boca de inúmeras pessoas e são bocas onde eu não queria estar. Acho que ninguém como eu gostaria de lá estar. Não conheço quase ninguém e quase ninguém me conhece. Raramente, muito raramente, eu sou apresentada nua e crua. Pouco, muito poucos, gostam de mim, assim. Mas é do jeito que sou. 
Eu sou a verdade. 




o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o



Histórias do Futuro

Para adquirir este livro no Brasil 




Para adquirir este livro nos Estados Unidos 

Clique aqui (e-book: $3.99 impresso: $11.98)

Monday, July 25, 2016

Balada do poeta



Balada do poeta

Sou o singular de todos,
sou o plural de mim,
antagônico, sem fim.
Sou a dor opressa,
sou o amor expresso,
de mim e de todos nós.
Ao desviar de águas turvas,
nas linhas faço curvas,
que não dependem de mim.
Caio, levanto e prossigo,
e como parte da vida,
choro, lamento, dou um riso.
Se você não faz nada,
quer viajar junto a mim?
Além de doces palavras,
com carinho tecidas,
nada mais tenho, porém,
para te oferecer.

<><><><><><><><>




 
 À venda


Lançamento no Clube de Autores:  Insólito

Para comprar no Brasil ( impresso ou e book) clique: 



Para comprar nos Estados Unidos clique

Saturday, July 23, 2016

A moça feia, a garota de Ipanema e outras mulheres


A moça feia, a garota de Ipanema e outras mulheres
Foi o Ataulpho que nos contou que a Amélia, sim, era mulher de verdade. Que ela às vezes passava fome a seu lado, e achava bonito não ter o que comer. Já o Chico disse que nunca é tarde, nunca é demais. E que a Bárbara e sua amante deviam  ceder enfim à tentação de suas bocas cruas, mergulhando assim  no poço escuro delas duas. E mais, o Chico avisou também  para a Carolina que não vai dar, que seu pranto não vai nada mudar. Pois é, continua ele, uma rosa morreu, uma festa acabou, e o barco partiu. O João Gilberto já tinha dito que amar é tolice, é bobagem, ilusão, e que ele  prefere  viver tão sozinho ao som do lamento de seu violão. E pergunta: “Agora amor, Doralice meu bem, como é que nós vamos fazer? Não ouvi a Doralice responder pois estava preocupado com as pedras que jogavam na Geni. Ainda assim, foram lhe pedir que dormisse com o forasteiro do Zepelim: Vai com ele, vai, Geni! E a Iracema, então? “Travessou contra mão”. É para piorar as coisas, o  Adoniram agora só guarda somente suas meias e seus sapatos, ele perdeu o retrato dela. Mas não foi só a Iracema que se foi. O Gil nos contou que o José viu Juliana na roda com João. Daí, o espinho da rosa feriu Zé e foi só sangue no chão. Olha a faca, olha o sangue na mão! Não era melhor o João não ter ido no parque? O Jobim falou que a Lígia não passou de uma ilusão do mesmo modo que o Chico ficou a ver navios quando a Madalena foi para o mar. Já o Ivan Lins, com um frio na barriga, repetia: Dinorah, Dinorah!
E existem tantas outras. A Teresinha – Chico de novo, quantas mulheres – acabou ficando com o terceiro, só porque foi chegando sorrateiro e se  instalando feito um posseiro dentro de seu coração, antes mesmo que ela dissesse não. E para terminar o alfabeto, o Ultraje a Rigor avisou a Zoraide para parar com essa coisa chata, e não vai se casar só porque já foi legal.
Às vezes, porém, as mulheres ficam sem nome. Nem por isso as pessoas deixam de saber que  Helô Pinheiro é a garota de Ipanema. Mesmo porque, quando ela passa, o mundo sorrindo se enche de graça e fica mais lindo por causa do amor. Já a moça feia que se debruçou na janela, pensando que a banda tocava pra ela, ninguém sabe o nome dela. Não sei por quê, o Chico não falou...

<><><><><><><><>




 
 À venda


Lançamento no Clube de Autores:  Insólito

Para comprar no Brasil ( impresso ou e book) clique: 



Para comprar nos Estados Unidos clique


Wednesday, July 20, 2016

Consciência



Consciência


Quero lhe contar coisas que você nunca ouviu, coisas de um mundo distante, coisas de além da vida. Não sei como fazer, não sei se você vai entender. É tudo tão diferente do que você está pensando, que nem sei como começar. Só para você ter uma ideia de todo o absurdo que vou lhe apresentar, preciso lhe confessar algo. Eu nem existo. Pelo menos não existo mais. Como explicar isso? Não dá com o pouco que você sabe. Precisaria haver mais referências para você poder se guiar. Talvez ficasse mais fácil se eu lhe disser que não existo mais para mim, mas existo para você. Ou talvez que é uma questão de tempo, de época. Existo num outro tempo, que nem é o futuro, nem o passado. Talvez se eu disser que é em outra dimensão, você vá compreender melhor, mas não é isso exatamente.
Eu sou a consciência de que você existe. Entendeu bem? Não a consciência sua ou a minha. A simples e pura consciência de existir. Por falar nisso, existir? Quem existe? Não fique alarmado com isso. Existe a hipótese de que você também nem exista. Pode ser que você seja apenas uma projeção da consciência, como eu. Seria eu me projetando em você e você se projetando em mim, nós dois não existindo. Coisa de louco? Eu avisei que seria difícil. Eu sei que você está pensando que sente a vida pulsar em suas veias. Pulsa mesmo? Sei que você está vendo cores, ouvindo sons, vendo as formas se combinarem em suave harmonia. É bonito, mas é real? Você não sabe, nem eu. Por que, então estaria eu a falar tudo isso? Será que estou falando mesmo, ou sou apenas imaginação? Mas as cores que você vê, os sons que você ouve e as formas que se formam em sua frente, elas existem? Existir, o que é existir? Talvez ninguém exista, talvez sejamos fragmentos de uma realidade maior, insignificantes em nós mesmos, apenas exercendo uma função secundária num outro ser maior, o verdadeiro.
Você ainda está aí?
Eu e você, apenas fragmentos, juntos com outros bilhões de outros fragmentos, formando uma minúscula partícula de um fragmento um pouco maior, parte insignificante e minúscula, e apenas acessória, de um outro ser maior ainda, uma consciência de verdade. Seremos apenas uma fração ridiculamente sem importância de uma sinapse se comunicando com outra? Num imaginário cérebro gigante, enorme, de um verdadeiro ser? E se esse outro ser também não tiver certeza de sua própria existência? Uma falsa impressão de uma consciência muito maior. Uma gigantesca, absurdamente inacreditável falha, multiplicada por milhões da pequena falhas que somos nós?
Eu disse que você não ia entender. Eu também não consigo. Na verdade, como você, nem certeza de que existo, eu tenho. Desculpe-me ter interferido em sua pretensa existência, se é que você existe realmente...
Eu sei, é melhor continuar assim, sem pensar em coisas maiores, complicadas.
Não que o que estou falando, seja verdadeiro. É melhor pensar do jeito que é mais fácil, isso é.

<><><><><><><><>





 
 À venda


Lançamento no Clube de Autores:  Insólito

Para comprar no Brasil ( impresso ou e book) clique: 



Para comprar nos Estados Unidos clique




O sorriso da amada


No infinito do céu, procuro respostas sobre o Universo. Nas obras de filósofos e pensadores, procuro explicações para a vida. Leio  livros de cientistas e procuro neles soluções para os fatos que vejo e que vivo. Procuro, junto aos místicos, uma vereda ideal para a alma sofrida. Procuro, na natureza, a paz para meu espírito inquieto. Procuro, procuro, não paro de procurar. Em tudo, em todo lugar, uma busca que não pode parar.

Procuro, finalmente, na minha amada, um sorriso que possa me ajudar. Só então percebo que lá está a solução para tudo, para todo meu indagar. Sim, isso mesmo, bem ali em seu rosto,  bem na minha frente está a solução ideal.  Bem ali,  naquele seu  sorriso...Que tudo explica, tudo preenche, sem querer nada em troca, apenas o meu desejar...

<><><><><><><><>





 
 À venda


Lançamento no Clube de Autores:  Insólito

Para comprar no Brasil ( impresso ou e book) clique: 



Para comprar nos Estados Unidos clique

Monday, July 18, 2016

Passageiro de passagem



Passageiro de passagem

Estava voltando para casa. Fazia tanto tempo, que nem sequer me lembrava mais como era. Provavelmente tinha mudado e iria ser uma decepção. Sabe, quando a gente não se lembra dos detalhes e os vai substituindo por outros, perfeitos, bonitos? No final, acaba sendo aquela decepção. E as pessoas? Teriam envelhecido? Pessoas tão próximas, pessoas queridas. Como iriam se lembrar dele? Iria ser tratado como antes?
E o trem ia rápido, voava. Os postes quando apareciam ao lado da janela, já tinham ido embora e aquele que eu estava vendo, já era outro, que também já estava indo. Ao longe, porém, a paisagem não mudava quase nada. Para ser mais preciso, fazia já algum tempo que não mudava nada, mesmo. Parada. É a ilusão. Somos assim, só vemos o movimento de perto. Aquelas estrelas no céu: você pensa que elas não se mexem? Fantasticamente mais rápido do que sequer possamos imaginar. Pode acreditar.
Estava preocupado com as pessoas queridas. Fazia tanto tempo, não conseguia mais me lembrar de seus rostos, de seus sorrisos. Nem da casa eu me lembrava direito. Nem a cor, nem o telhado. Nem sabia se havia um muro, não sabia a cor das paredes também.
Estava reparando, de repente, que a paisagem próxima da janela, embora alucinante, era sempre a mesma também. Repetia, insanamente os mesmos postes, as mesmas pedras, o mesmo tudo. E se tudo aquilo fosse uma ilusão? Não havia trem, não havia casa e nem as pessoas queridas? Tudo apenas uma vontade enorme de ser, sem poder.
Eu acho, agora, que é isso. Sou apenas uma imaginação, um passageiro personagem, personagem do destino, uma criação, fútil do meu escritor. Só existo na cabeça dele, de ninguém mais.  Uma pessoa vazia, sem imaginação. Sou só a vontade dele, o seu pensar, o destino que ele quer me dar. Pelo menos, agora, você que está lendo, me conhece também. Prazer em conhecê-lo. Meu nome não posso dizer, pois não sei. Acho que ele, meu escritor, não sabe também. Não, por enquanto. Um dia, ele vai saber. Talvez quando esse trem louco, desvairado, parar em alguma estação qualquer do destino. Ele, porém, como eu, só vai parar quando o autor quiser. Igualmente, o trem  também é um personagem, e seu nome eu também não sei.




 oooooooXXXXXXXXXXooooooooo




 
 À venda


Lançamento no Clube de Autores:  Insólito

Para comprar no Brasil ( impresso ou e book) clique: 



Para comprar nos Estados Unidos clique