Wednesday, December 2, 2015

A quitanda da praça

A quitanda da praça





Eu era muito, muito, pequeno, e existem coisas das quais não me lembro mais. Lembro-me, no entanto, de que  arrumei um emprego na quitanda de Perus, lá na praça. Devido à tenra idade, nem fui registrado. Desconfio, porém, que, naquela época, muito pouca gente era. As minhas obrigações eram bem simples e adequadas aos meus tenros anos. Não havia exploração infantil, nem nada parecido.
Arrumava os abacates numa caixa de madeira, para que eles ficassem com cara bonita para o freguês. Ela, minha patroa, nunca me falou isso, mas acho que eu já tinha um inclinaçãozinha para marketing. Outra obrigação era separar as frutas podres para jogá-las fora, como mandam as regras de saúde pública. Claro, elas ainda nem existiam. Acho que varria também o pequeno estabelecimento, mas disso não tenho certeza.
O meu emprego, depois da escola, é claro, ia de vento em pompa. Estava feliz. Saía correndo do Grupo Escolar Suzana de Campos só para ir trabalhar. O pagamento certamente era irrisório, mas dava para fazer um monte de coisas, até mais do que eu precisava.
Um dia, porém, fui despedido. Não sei se foi por justa causa, por uma causa razoável, ou por causa de mim mesmo. A Mieko, dona do prestigiado estabelecimento, me avisou, assim, sem mais nem menos. Agora, muitas décadas depois, desconfio que eu brincava muito durante o serviço. Criança não foi feita para brincar? Não tenho raiva da Mieko e nunca tive. Ela estava fazendo seu papel de empresária.
Não sei o que deu na minha cabeça, mas eu continuei por lá. Fiz de conta que não entendi. Que não era comigo. Talvez não tenha entendido mesmo, afinal eu era apenas um pimpolho. Talvez ela não tenha dado aviso prévio ou não tenha me avisado por escrito. Por isso, fiquei ainda trabalhando lá por muito tempo. Claro que brincava também, lá mesmo. Obviamente, o meu “gordo” salário também foi suspenso.
Acho que gostava da praça e, além do mais, aquele Morro do Cartório era terrível. Só subia quando não tinha mais jeito. Era bom ficar por ali...
A gente faz cada coisa quando é criança...


o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o0o


==(((()))===


Lançamento no Clube de Autores:  Insólito

Para comprar no Brasil ( impresso ou e book) clique: 


Para comprar nos Estados Unidos clique

No comments:

Post a Comment