Thursday, July 6, 2017

O médico, o mágico


O médico, o mágico

Lá ia ele, de um lado para o outro, com sua maletinha de médico. Em Perus, em, Caieiras, às vezes até na casa do paciente, lá estava ele. Não era só a consulta:  aconselhava, dava remédio, orientava. Funcionava, sozinho, melhor que um plano inteiro de saúde de hoje em dia. A única parte que não funcionava bem era a parte do recebimento. Ele não era muito bom nisso: quem podia pagar, pagava, quem não podia , tinha o mesmo tratamento.
Quanta gente ajudou, não consigo contar. Meu pai foi um deles e tinha um respeito e uma admiração por ele que não tinha por mais ninguém. Quantas vezes ele precisou da ajuda daquele doutor incrível.
Ele era um verdadeiro mágico, pois além de cuidar de tanta gente com tanto amor, ainda tinha uma família enorme para cuidar. Enorme mesmo. Na verdade, acho que a cidade inteira era sua família.
Existe muita gente que não se esquece do doutor. Muita gente mesmo!
Se houver uma contabilidade de dar e receber lá no paraíso, São Pedro teve uma dificuldade enorme para acertar tanto bem que ele fez com tão pouco que recebeu.
É até uma pena que não haja doente lá em cima, com todo respeito. Ele estava tão acostumado a curar, que deve sentir uma falta danada de fazer o bem. Finalmente parou de correr, está descansando o merecido descanso, o descanso das pessoas boas...
Obrigado, Dr Milton Neves!


====================


Clique aqui:


 À  procura de Lucas


Para adquirir este livro no Brasil 

Clique aqui  ( e-book: R$ 7,32 / impresso: R$ 27,47)

Para adquirir este livro nos Estados Unidos 





7 comments:

  1. Isaura Ferreira NevesMay 2, 2013 at 5:17 PM

    Querido Flavio, a vida nos surpreende nos momentos mais frageis, vc não pode imaginar a satisfação e alegria de ler teu conto sobre o papai, muito obrigada, depois de 17 anos temos a satisfação de saber que longe, distante , porem não ausente de carinho e a amizade de vcs, rogamos a Deus que entregue pessoalmente ao destinatário a sua mensagem , por enquanto aqui no mundo dos mortais lhe desejamos muito amor e que a paz esteja sempre com vcs e em nome da familia Ferreira Neves te agradecemos de coração, sejam felizes , tenho certeza que se o meu pai estivesse vivo ficaria muito emocionada , assim como nós ficamos, estamos com saudades de vcs e mande noticias, Isaura Ferreira Neves

    ReplyDelete
    Replies
    1. Não houve nem um pouco de exagero no que escrevi. Pelo contrário, existem outras coisas maravilhosas que ele fez que não cabem na crônica. A coragem que ele mostrou na greve da Perus, certamente ficou marcada no coração de meu pai e de todos os grevistas. Vocês são abençoados por pertencerem à família.

      Delete
  2. Querido Flavio, a vida nos surpreende nos momentos mais frageis, vc não pode imaginar a satisfação e alegria de ler teu conto sobre o papai, muito obrigada, depois de 17 anos temos a satisfação de saber que longe, distante , porem não ausente de carinho e a amizade de vcs, rogamos a Deus que entregue pessoalmente ao destinatário a sua mensagem , por enquanto aqui no mundo dos mortais lhe desejamos muito amor e que a paz esteja sempre com vcs e em nome da familia Ferreira Neves te agradecemos de coração, sejam felizes , tenho certeza que se o meu pai estivesse vivo ficaria muito emocionada , assim como nós ficamos, estamos com saudades de vcs e mande noticias, Isaura Ferreira Neves

    ReplyDelete
  3. Só quem teve a sorte de precisar dos cuidados do Dr. Milton pode entender o que você quis dizer quando escreveu: "Funcionava, sozinho, melhor que um plano inteiro de saúde de hoje em dia."
    Linda e merecida homenagem.

    ReplyDelete
  4. Parabéns! sempre que me sento na varanda, olho para a fábrica de cimento e lá está a única casa que sobrou, na minha lembrança, era a casa do Dr. Milton, me lembro certa vez minha mãe me levou no meio da noite na sua casa, nunca deixou de atender ninguém. cuidou de mim, cuidou da minha gravidez, e da minha filha, de toda minha família, e muitas e muitas, era realmente era aquele médico da família, sem estresse, aquele que tanto faz falta hoje em dia, as palavras certas do Flavio, ele era um plano de saúde completo, onde estará meu Dr.? no céu, em férias celestiais, o exemplo de dedicação e amor à sua profissão e ao próximo!

    ReplyDelete
  5. Em 1960, tive uma doença, fiquei com febre altíssima e com pintas pelo corpo... ele diagnosticou SARAMPO PRETO. Todos os dias, quando saia do seu consultório (creio que era na Praça) ele passava na minha casa (Av. Fiorelli) para me ver. Minha mãe aplicava as injeções. Eu tinha 6 anos e não me esqueço daquele senhor. Minha mãe disse que ele me salvou... Obrigada Dr. Milton!

    ReplyDelete
  6. Realmente um médico e um ser humano espetacular! Quantas vezes esteve em nossa casa! Nunca cobrou nada. Quantas vezes nos atendeu aos domingos, à noite! Inesquecível Dr. Milton. Médico, Prefeito e um homem especial. Sou grata a ele, Caieiras deve ser grata a ele. Pelo aspecto humano e pelo potencial magnífico de gestor de uma cidade à qual ele adotou como sua. Era certeiro em diagnosticar. Era inteligentíssimo ao gerenciar. Era generosíssimo ao acolher a todos que o procuravam. Ético, digno, capaz, empreendedor e acima de tudo amigo. Deixou saudades, boas obras, belas recordações. Caieiras nunca mais foi a mesma após sua partida. Que bela missão! Realmente cumprida! Está em paz!

    ReplyDelete